sábado, 23 de novembro de 2013

cadastrai as.vossas gaitas!

Intenção de cadastrar os fumadores... fodei-vos maje i inde bergar a mola. Essa merda é fruto de muito tempo livre caralho!!!!

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Recebi um email com esta sugestão

A sério?!
Se eu tivesse tempo para fazer estes fofilanchinhos para as minhas cachopas...
Era uma gaja realizada!

Um Abatanado faxavor!

 

Passava da meia noite.
Os ossos estavam regelados.
As pernas não respondiam às ordens emanadas pela cabecinha emocionada e quase em estado zen.
Julgo nunca ter tremido de frio como naquela noite de 12 de Outubro.
No caminho para o carro passamos por um café ainda aberto naquela avenida já quase deserta. dizia na porta snack bar.


- Vamos ali?
- Ah... Tens fome?
- foda-se! tenho, e tu não?
- ó pá olha a lingua! 
- mas tens fome ou não?
- morfava qualquer coisita.
- olá boa noite! ainda dá para comer qualquer coisa? (já estavam a contar moedas)
- olhe assim comida comida, não! mas uma sandes (o que eu gosto de ouvir dizer: uma sandes! singular e plural assim misturado dá um toque de classe a qualquer merda)
- pode ser! quentinha por favor! muito obrigada!
- então e para beber o que vai ser?
- humm... pode ser um café numa chavena grande, daquelas de meia-de-leite.
- ah! um abatanado!
- como?!
- um abatanado!
- pois, um café numa chavena grande, isso!
Esperei para confirmar o nome do dito cujo quando viesse a conta: 2 sandes e 2 abatanado!
-Foda-se parece que estamos na china cara***. As merdas têm nomes tão distintos!
Arrotei ao abatanado toda a santa noite.




quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Parabéns Querida!

Hoje é o aniversário de uma amiga!
Já a felicitei.
Mas hoje dói-me a alma, seja lá o que isso for!
Tenho um aperto no peito, não paro de pensar nela, sei que ela está mal, que sofre. E eu sofro com ela!
Não costumo verbalizar as minhas emoções, principalmente as boas. mas escrevi uma carta para acompanhar o ramo de flores que lhe vou oferecer.
No entanto e apesar de ter escrito o que me vai na alma (quase sem palavrões à mistura), sinto-me reticente em entregar-lha.
Não estou habituada a dizer gosto de ti...

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Ó pá! fogo!

Por incrível que pareça não saiu palavrão! Antes sim, um "ó pá! fogo!"
Falei ao meu gajo que um dia gostava de estar presente numa procissão das velas em Fátima.
Hoje, avançou com gente para assegurar as francesinhas na noite de sábado e com a sogra para dar guarida por uma noite às suas ricas netas... e conseguiu! Tudo!
Algo me diz que ele também quer muito ir...
Mas seja como for, foi uma atitude querida e espontânea. 

a minha cachola devia ter uma ficha usb com escrita inteligente

Tenho tanta merda na cabeça que me sai com tamanha velocidade que não consigo reter quase nada para o dia seguinte.
Devo ter autoclismo incorporado em vez de um chip de memória.


e quando percebes que falaste pro cano?

30 anos volvidos, tomas conhecimento de algo que desde sempre soubeste mas nunca sequer mentalmente verbalizaste. Educaste um chavalo que é um gringo!

Esfolaste os joelhos quando te atiraste pró chão para o amparar, arranhaste os cotovelos quando te posicionaste à peixeira e fizeste peito para o defender do mundo; puxaste-lhe as orelhas quando entendeste que merecia (mesmo chorando em silencio) e não o deixaste perder-se quando o obrigaste a alinhar contigo diariamente por mais de um ano até ele atinar da chifralhada.
 
Por mais que queiramos manter a devida distância emocional, sangue é sangue. E alguém falar-te mal menos bem do teu caçula é algo que revolve as tripas e dá ganas de mandar alguém à bordamerda. Mas, e quando é verdade verdadinha o que te dizem? E quando ficas sem argumentos de defesa e pensas: pois é cara*** tens razão!

É. Engoles em seco e argumentas que não tens resposta.

Não há resposta. Há tão-somente uma enorme, colossal, descomunal e gigantesca vontade de lhe pregar dois estalos nas trombas e perguntar com quem é que ele aprendeu esta merda de postura? onde estão os princípios tão inabaláveis de vida que sempre ouviu,  e com os quais sempre conviveu? Será que há pessoas que, por mais que se faça, serão sempre diferentes de nós? Será que as minhas filhas não estão a ser as esponjas que aparentam? Será que vão mudar daqui a 10, 20 ou 30 anos?

Somos tão poucochinhas...

Têm sempre assuntos super interessantes sobre que falar horas a fio (e tempo para o fazer!)
Têm sempre agendas preenchidissimas com visitas e convites e embentos sociales
Cagam moda como o meu gajo caga o assado 2 horas depois de o comer... extraordinário!
Não têm dias maus com umas olheiras daqui até à lua, o mau feitio lá bem no alto e paciência para as criancinhas é coisa que não falta nas suas ricas casas. 
A maquilhajjjee é imperativa, nem que as crianças vão com o lampião aceso e as calças tão badalhocas que até reluzem. 
Rugas e palidez é algo com que o seu código genético não as bafejou, sorte sortinha!
Mas a cereja mo topo do bolo é que têm sempre o melhor marido do mundo! 
Familias perfeitas é o que é!
Como diria uma grande amiga: gosto muito da normal anormalidade da minha família!


segunda-feira, 30 de setembro de 2013

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Tem sido assim:

Há já muito tempo que não botava aqui faladura.

Mas de vidinhas está o povinho cheio. Nada de jantaradas com gente superin, férias na comporta, fins de tarde superfantasticos, nem vogues fashions tretas, ou seja, nada de interessante! Só uma vidinha normal, com altos e baixos e dores para digerir e disfarçar... fazer de conta que sou super forte e que nada me abala, até porque alguém tem que manter o caiaque direito, ora pois!
A cachopada está fina, com menos espaço de manobra para se esticar nos laivos de mau feitio, porque a mami passou por uma fase de, digamos, privação de paciência!
A cadela é estrangeira de certeza. Não entende um simples: lá fora ou está quieta! mas cresceu que se farta.
A piscina ficou pronta a tempo de darmos uns belos mergulhos e apesar de estar previsto o pior verão dos últimos 300 mil anos, o Agosto foi impec cá pelo Porto.
Perdi amigos, conheci pessoas que certamente ficarão por cá como novos amigos e surpreendi-me imenso por conhecer uma pessoa digamos que, bastante parecida comigo - afinal não sou asssssiimmm tão anormal!. Esta aproximação fez-me aperceber de certas caracteristicas que nos são comuns, mais ainda fez-me perceber como a solidão em momentos de dor pode ser atroz. Revi-me no sofrimento dela, na sua postura inabalável perante um cenário grotesco que é a perda de um familiar e só aí percebi a minha mágoa, a minha dor. Tive uma grande amiga (agora ex) que não trocou o turno no dia do funeral porque "não dava jeito" - ora foda-se! nem que faltasse. Tive amigos que estiveram na noite, foram festejar a passagem de ano a cascos de rolha e emborracharam-se até mais não, mas no dia seguinte estiveram lá de pedra e cal - cum caralho esta merda é ser amigo! e tive outros que adormeceram... haa e tal... desculpa lá mas adormeci e só cheguei lá às 11:30 e já não estava ninguém - claro só falaram comigo uma vez para dar esta fabulosa justificação, depois disso e dos os ter mandado apanhar no real cagueiro que aquela merda não era desculpa, morreram! Ide-vos foder todos!
As férias foram muita boas este ano. Não saímos do país nem tão pouco da terrinha, mas foi bom, tão bom estarmos juntinhos e sem preocupações, que nos uniu ainda mais. Acho que me reconciliei com a vida, estava(mos) a precisar de não ter nada para fazer... só estar, só viver um bocadinho juntos 24 sobre 24 horas sem interrupções e montes de merdas para fazer.
Pena é a chuva que veio em força e que atazina um pouco as rotinas e o arranque de todas as actividades. Este ano estou absolutamente decidida a que a mais velha tenha o espaço que merece (e muito!) para fazer aquilo que gosta sem que o mau feitio da peste pequena me impeça de a levar. Mesmo! Nem que grite todo o tempo tem que perceber que não terá alternativa (algum dia se há-de cansar e perceber que não lhe vale de merda nenhuma a gritaria).
Só tenho pena que a minha capacidade de disfarce esteja em contra ciclo com a minha felicidade. mas não se pode ter tudo!
E pronto, agora vou virar-me pró trabuco que esta treta já vai longa...

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

terça-feira, 16 de julho de 2013

Estou fartinha de limpar mijadelas e outros...

A sério! eu meto-me em cada alhada! cum caralho!
Adoptamos uma cadela que supostamente são mais limpas que os cães mas eu não vejo nada de limpeza, aliás estou fartinha de lhe chamar PORCA!
É aqui que se mija? sua PORCA! - ó pá a sério que eu tenho noção que a bicha não há-de perceber muito bem esta frase, mas tem sido a mais recorrente lá em casa nos ultimos dias. tanto que lhe vedei o acesso ao resto da casa - enquanto não mijar e cagar sempre no mesmo sítio não passa da cozinha! 
Mas que é fofinha, lá isso é. E a canalha anda deliciada com a nova amiga, pois claro.

Férias ondandas???

Estou tão, mas tão cansada hoje que até mandei o patrão cagar!
E estou a pensar construir uma piscina prácanalha.

sexta-feira, 14 de junho de 2013

FELIZ, FELIZ e ainda MAIS FELIZ um cadito

Tive uma EXCELENTE notícia esta semana..
Daddy is not ill!!!
Já merecia calquercoisita assim de positivo. Mesmo, mesmo, MESMO!!!!!
Por isso estou assim a modos que nem caibo em mim de felicidade. Que esta merda de gerir expectativas é simplesmente ultra-mega-hiper-complicado (pra não dizer fodido outra coisa) e estava a passar-me completamente da chifralhada.

Ó pra mim quifilizzzzz
 Por isso: bom fim de semana pra vós, gente!!! que o meu vai ser óptimo de certezinha.
 



quinta-feira, 6 de junho de 2013

E vai-se acreditar em quê? em quê????

O ser humano é bicho pensante. Dizem. E é verdade.
Perante finais inevitáveis, conseguimos manter aquela merda daquele sentimento que se chama ilusão, esperança. Temos sempre o "mas" na mente, o pode ser que...
Acreditamos que, com o nosso esforço, com o nosso empenho conseguiremos ultrapassar o horror que se avizinha anunciado por conhecedores da matéria. 
É simplesmente uma merda dum sentimento que alimentamos e que, quando confrontados com a puta da realidade (para a qual até já nos tinham avisado) faz com que nos esbarremos de cornos mais uma vez. 
É assim que me sinto. Mais uma vez bati com os cornos na parede da ilusão, dura como um raio, diga-se!
Dizem os eruditos que a nossa vida é uma passagem pela terra. Que aqui nada somos além de meros peões num jogo maior, muito além da nossa capacidade de entendimento material. Mas, assim sendo, para que "nos deram" sequer a puta da capacidade de pensar? porque não nos fizeram acerebrados? Sofrer faz parte do jogo? Ver sofrer faz parte do jogo? mas que merda pá! Se estamos só de passagem para algo maior podíamos ser menos espezinhados não? dava cá um jeitaço do caralho em certas ocasiões.
Eu cá não me importava de ser comójanimaizinhos e viver só para comer e cagar. Pelo menos certos dias eram bem mais fáceis de (sobre)viver.

E pronto, era só esta merda que me apetecia botar cá pra fora! Desculpem lá :|

A propósito disto:  :(

quarta-feira, 5 de junho de 2013

:(

Foto: Olá amigos!

Hoje foi um dia especial, Dia Mundial da Criança, e apesar de não ter saído de casa, também me diverti com alguns jogos...  

A febre não me quis dar tréguas, mas o meu apetite esteve um bocadinho melhor e eu estive muito bem disposto.

Espero que se tenham divertido e aproveitado bem o Dia da Criança!

Gostaria de agradecer à organização do evento Todos por Um que se realizou ontem no Porto, em particular à Márcia Pires e a todas as outras voluntárias, à Sociedade Filarmónica Operária Amorense pelo evento realizado também ontem na Amora, bem como a todos quantos participaram e que acolheram o meu avô muito calorosamente, e ainda ao Piratinha Piriri e à Casinhas das Manas pelo evento organizado esta manhã. 

Ganda Xi pa todos e bigado por tudo <3 <3 <3
Descansa em PAZ

Tempo...

Ontem, a fumar um cigarrito à porta, vi 2 gajas a chegarem a casa às 8 da noite acabadinhas de sair do seu treino. Não que seja cusca, mas se as merdas me batem nos olhinhos não posso fazer de conta que não vejo, certo?
Ora, por instantes deu-me assim uma puta de uma saudade do tempo em que tinha tempo. Tempo para mim, para as minhas coisas, para não pensar em nada, simplesmente para existir, para estar. 
Mas logo tive que apagar o cigarro a voar pois a mais nova esbardalhou-se no chão e fodeu uma gancheta e aqui o 112 de serviço teve que acudir aquela alminha em apuros!
Depois pronto, nunca mais me lembrei da falta de tempo porque não tive tempo para isso.

Vi art(e)

Tal e qual

terça-feira, 4 de junho de 2013

sabes que estás a ficar velha quando

A tua vida te assoberba de tal forma que te esqueces momentaneamente de tudo o resto.
A tua vida passa a estar em primeiro plano. Não tu! a Vida.

Psicologia caseira

Colega - Olha lá, faz uma análise de mim!
Aqui a Je - Oi? desculpa? análise? a quê? ao sangue? ou queres também à urina e às fezes? Mas que merda de pergunta!
C - Não, a sério. Diz lá o que achas de mim. Sou assim tão má?
Euzinha - Má? Mas má como caralho? Porquê?
C - As nossas colegas queixaram-se as duas que sou grossa, que falo com 2 pedras na mão. Ó pá, elas metem cada argolada que eu não me contenho e digo-lhes.. E duas, levam-me a questionar se não terão razão, afinal já são 2 opiniões parecidas...
E - Olha, as nossas colegas que se fodam. Só fazem merda e são umas conas insossas; como não têm defesa possível atacam quem as amedronta com a sua desinibição e falta de preconceitos. E tu, queres que te analise, é? És burra que lhes dás confiança para te responderem. Quantas vezes as ouviste a dizer mal de mim?
C - ..... 
E - Pois, é mesmo isso. A diferença reside no facto de terem confiança contigo para te atacarem e comigo não. Manda-as trocar de cuecas que estão todas mijadas!



Sabes que não és talhada para estas merdas das novas teconologias quando

O teu telefone (smart, dizem) se torna indenpendente de ti e não o consegues parar senão carregando no espantoso botão do off, botão este que para mim foi a melhor merda que inventaram nos telefones.
Não mexi em merda nenhuma e o telefone está pr'aqui a actulizar-se sozinho.
Vai dar raia de certezinha! Modernices pá!
Esta merda só devia funcionar se o intruísse, certo? Mas não! Parece que tem vida o gajo. É mesmo smart (ele, eu é que sou burra!)

A semana passada e o fim-de-semana

Morre um Tio. Em tempos chegado e frequentador da casa.
O tempo passa, a vida urge e só quando a morte chega levamos a chapada divinal que abana os alicerces supostamente sólidos da nossa existência.
Estava doente de facto, mas não justifica a morte. Nada o justifica. Nada apazigua a dor dos familiares que com a sua falta têm de conviver e continuar a sobreviver. 
Sei que são momentos atrozes por isso estive presente quando pude e como pude. A caminho da capela, pois ele chegaria por volta das 16h, recebo um telefonema da escola que a mais velha estava com dores de barriga e com muito frio e tal e coiso, e que é melhor ir buscá-la. É relativamente perto, o corpo chegará à hora marcada e como estão sózinhos vou lá e depois sigo a todo o vapor para a escola. Mas as 16h transformaram-se em 16:15h e mais 15m para preparar a capela para receber o corpo e mais 15m para os ânimos acalmarem e não podia sair de lá a correr desenfreadamente. Voa para casa com a miuda e manda marido ir buscar a outra. Velório à noite com homem a fumegar e já a roncar quando chego a casa. Funeral no dia seguinte de manhã. Duro, muito duro, afinal não o são todos? 
Reclamação de créditos para fazer e alterações de última hora levam a noitada no trabalho. Homem fumega qual vulcão em erupção sem "condições" para "ficar" com as meninas. Desculpa? Umas horas e é assim? Fim de jantar cear, resolve a santa Mãe ligar a perguntar por um cartão que era suposto ter vindo e que eu não entreguei e o caralho e eis senão quando atira uma magnifica posta de merda que me faz saltar a tampa. Simples. Acha que tenho a sua qualidade de vida, que não faço um caralho e que estou em casa sentadinha no sofá a "botar" creme no corpinho danone como ela. A sério? mesmo? 
Fim de semana, chegaste!!! Pois e contigo trouxeste um maginifico entupimento do sifão da cozinha. Fantástico! Louça por lavar, máquina a abarrotar e nada de água por favor, pois o chão está inundado. Gajo resolve desentupir a coisa com soda caustica... resultado: aquela merda expludiu! Pedras gordurosas por todo o lado, um cheiro de morrer e braços todos fodidos de tanto dar à esfregona. Cama às 2 da matina. Praia na manhã seguinte pois a cachopada andava louca com a promessa, Leroy à tarde para comprar um tubo de aço para "tentar" uma vez mais desentupir a coisa e mais umas quantas horas a dar à esfregona. Banhos, compras (que o stock de lixivias e liquidos fodeu-se) e finalmente, cama!
2ªfeira de manhã. Tormento para as descolar da cama. Entregues na escola. Trabalho finalmente! por vezes parace que é o unico sítio onde consigo desligar a ficha. Tou mesmo a ficar velha.
Por isso não tenho coisas fofinhas e bonitinhas para contar, só merdas mesmo.

quinta-feira, 23 de maio de 2013

sabes que estás a ficar velha quando

em viagem, tens que desligar o AC porque as lentes te estão a secar tanto os olhos que já nem com cuspe a coisa vai ao sitio...

sabes que tens quilometros a mais no lombo quando

te apetece empurrar todos os caracóis que vão à tua frente

quarta-feira, 22 de maio de 2013

sabes que não tens jeitinho nenhum para ajudar no tasco quando

Uma senhora te pergunta se não tens "fizz" e pensas disfarçadamente com um sorriso amarelo: é frize caralho; mas entretanto a vês a aproximar-se da arca dos gelados...

sabes que és ruim quando

Ao ouvir o som de umas muletas só pensas: e tu não esbarras esses cornos no chão?

sabes que detestas uma pessoa quando

A simples presença dela te tira o apetite

sabes que tens razão em seres como és quando

Só te dirigem a palavra para te pedirem favores e falarem sobre dinheiro
Por muito que tente... não consigo disfarçar.
Há pessoas sobre as quais recai amargura tal que, por muito tempo que passe (que dizem que tudo cura), simplesmente não consigo sequer encarar. Isto não é nada bom; não permitir que o tempo apague certas passagens da nossa vida faz mal à alma, mas... eu vivo demais, sinto demais, amo e odeio demais.  Reconheço a minha incapacidade de perdoar e sei que isto me trará amarguras futuras. Julguei aqui há uns anos que era um sentimento típico de pita, de cachopa, que atenuaria com o passar do tempo. Aos quase 40 começo a pensar que é defeito. Que terei de me habituar à ideia que sou assim, encarar este sentimento e tentar viver com ele o melhor que conseguir.  

sexta-feira, 17 de maio de 2013

cum caneco que se me dá uma coisinha má

A estroncina mais velha comunga pela primeira vez no domingo. Siiimmm este domingo!
A vestimenta está cá em casa há  uma semana mas aqui a je que anda sempre a cagar entre o milho, só hoje teve tempo para lha experimentar. .. com muito cuidado não vá a coisa rasgar-se toda, enfiada a vestimenta e apertado o fecho, a cachopa fica com um ar assim pro assustadito vá lá digamos! Que foi??? Acho que está apertado mãe. .. O QUÊ???
ai que me morro já aqui!  Afinal estava só com a cinta fora do sítio.  Fogo! Ja me estava a ver a ir aos chineses amanhã.

Enfarta burra, que a mãe tem que ir ao cabeleireiro...

Uma casa com 4 cabeças de gado a comerem como uns alarves traduz-se numa puta duma conta no supermercado no fim do mês que até dói! 
Como tudo está sempre a acabar, seguimos ao final da tarde às mercolas pois a cachopada já não tinha nada para morfar.
Cruzei-me com uma fofa, mamã (sim, ela não são mães, são mamãs!) de uma amiga da minha estroncina mais velha na escola. Conversa de circunstancia, ah e tal, hoje já está mais frio, coiso e vamos gastar dinheiro e merdas assim que eu vejo-me fodida para não as mandar logo à burdamerda... olha, sabes? diz-me ela do alto dos seus longos cabelos loiros e fuças pintadissimas, que eu não entendo como é que estas gajas se epiriquitam assim tooodos os santos dias - eu, à minha mais velha (que terá por volta de 14 ou 15 anos, acho eu) de manhã dou-lhe sopa. (fodasse! sopa???) de manhã? sim, de manhã; os iogurtes e as bolachas são de digestão rápida e duas a comer bolachas e iogurtes mesmo de marca branca (fofa que é fofa, não diz do continente ou do pingo-doce) levavam-me à falência. assim, com uma sopinha e às vezes um bocadito de arroz e carne que sobre do dia anterior, aguenta até à hora do almoço, nem precisa de levar lanche e às vezes nem tem muita fome ao almoço. Já viste o que poupo? Eu não consegui articular nenhuma frase, só um ahh, pois, olha até amanhã, tenho que ir. beijinhos.xau.
Fodasse! sopa ao pequeno almoço aos chavalos para poupar? cum caralho! e não é que a cachopa é magrinha? acho que vou trocar o meu café e cigarrito matinal por uma tijela de sopa.