domingo, 31 de maio de 2015

Dos dias bons

Ontem foi um dia bom, diria quase que delicioso.

Conheci gente bonita - a meu sentir,  pessoas bonitas são pessoas de boas tripas, desempoeiradas, sem sorrisos amarelados.
Conheci gente que cheira-me vai ficar por cá, por esta casa tão esquisita que é a minha vidinha...

Dizem que ressonei esta noite - boato falso, a meu ver

Até já

Respira

Quem tem filhos, sabe do que falo
Quando se lhes prega o tau no plural é a puta da loucura...
Enquanto uma grita, outra berra (que é quase a mesma merda, muda o tom) porque a primeira está a chorar e não se ouve o que a segunda estava a pedir, inicialmente já em tom de voz elevado (sim, as minhas estrelinhas são assim pró surdo), agora de forma estridente porque a mana não me deixa falar e está a chorar e eu agora também choro e vou chorar sempre até ela se calar.... fffffff
respira, não não é inspira e expira... é mesmo RESPIRA (pra não te ires a elas)

sexta-feira, 29 de maio de 2015

Do I?


Exaurida, é giro não é?

Nem sei se esta merda se escreve assim, mas também não vou ao dicionário que me cansa.
Andas a mil,
tens mil e uma merda em que pensar ao mesmo tempo,
tentas escrever este triste post umas milhentas vezes
não tens tempo parra arrear o calhau
passas à porta do café e encontras alguém que já lá está desde o inicio da tarde; sabes aquele inicio de tarde em que tu vais trabalhar? esse mesmo!
e recebes um oláá, tudo bem? ao que respondes com um seco sim, e contigo também?
ai estou exaurida!!!! acenas da forma menos amarela possível e pensas: vai comer um cagalhão pá!
agora até eu fiquei exaurida.

quinta-feira, 28 de maio de 2015

Dessem-me outro passado e não seria assim certamente #3 (em rascunho desde o natal passado)

À mesa, ao jantar:
- Já viste! antigamente éramos tantos (a propósito do natal)
- Pois éramos! mas acho que estamos bem melhor agora!
- Estar melhor estamos, mas com muita gente era diferente...
(minha resposta chocante) - pois acho que era uma valente merda! prefiro estar sozinha, a ter gente falsa à minha volta. Agradeço o facto de a vida nos ir colocando barreiras que para serem ultrapassadas nos obriguem a separar a merda do papel higiénico - sabes quando limpas o cu após uma valente diarreia e a merda se espalha pelo papel e pelos dedos? Pensa assim: limpaste o cú e a merda ficou no papel! dedos limpinhos Mãe! Limpinhos!

Estou viva

Confrontaram-me com a pergunta:
- qual é o teu blogue?
- foda-se! está morto pá.
- anda lá, deixa-te de paneleirices. Vá, foda-se diz lá parva!

Lembrei-me que este pardieiro ainda existe e prontes, voltei.
A ver se é desta que fico e que mudo aquela bonequinha pipi que está na capa pois estava bêbada quando a escolhi...